domingo, 23 de abril de 2017

Alejandro Valverde vence Liège-Bastogne-Liège.



Escrito por: Marco Faria

O corredor espanhol Alejandro Valverde (Movistar) venceu a clássica Liege-Bastogne-Liege, juntando assim mais uma prova este ano ao invejável currículo, dedicando a sua vitória ao italiano Michele Scarponi, falecido este sábado.

Valverde esteve mais uma vez irrepreensível, ao finalizar de uma forma magistral, ultrapassando Daniel Martin (Etixx-QuickStep).

No segundo posto terminou o irlandês Daniel Martin, com o mesmo tempo de Valverde, e no terceiro Michal Kwiatkowski (Sky), a 3s.


Quanto aos portugueses em prova, Rui Costa (UAE Team Emirates), terminou no 14º posto, a 10s, José Gonçalves (Katusha-Alpecin), terminou no 51º posto, a 1 minuto, Tiago Machado (Katusha-Alpecin), 64º, a 3m50s, André Cardoso (Trek-Segafredo), 69º, a 4m42s, Ruben Guerreiro (Trek-Segafredo), 88º, a 7m40s e José Mendes (Bora-Hansgrohe), 100º, a 7m40s.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

João Matias 20º na prova de Scratch no Campeonato do Mundo de Pista.


Escrito por: Marco Faria

O corredor português João Matias terminou a prova de Scratch do Campeonato do Mundo de Pista, realizado em Hong Kong, no 20º posto, depois de ter atacado sendo apanhado pelo pelotão na última das 60 voltas da prova.

João Matias fez uma prova segura, sempre atento a todas as movimentações. A nove voltas para o final o português lançou-se ao ataque numa altura mais calma da prova, levando na sua roda o polaco Adrian Teklinski.

Com isto Teklinski conseguiu chegar à medalha de ouro, com o segundo a ser o alemão Lucas Liss e o terceiro o britânico Christopher Latham.


Matias termina amanhã a sua primeira participação nos Mundiais de Pista, ao alinhar na final direta da corrida por pontos marcada para as 12h00. Às 8h00 começa a qualificação para a perseguição individual, onde Portugal está representado por Ivo Oliveira. O jovem português corre na 12ª série e tem como oponente Daniel Stanieszewski. A final será às 13h00.

domingo, 9 de abril de 2017

Greg Van Avermaet vence Paris-Roubaix.


Escrito por: Marco Faria

O corredor belga Greg Van Avermaet (BMC) venceu a 115ª edição do monumento Paris-Roubaix, com ligação entre Compiègne e o Velódromo de Roubaix, com 257 quilómetros de extensão, entre os quais 55 de pavé.

Avermaet bateu sobre a linha de meta Zdenek Stybar (QuickStep-Floors), segundo e Sebastian Langeveld (Cannondale-Drapac), terceiro, todos com o mesmo tempo.

Com este triunfo, o belga junta o Paris-Roubaix à Omloop, E3 Harelbeke e Gent-Wevelgem.

Quem não teve um bom dia foi Peter Sagan (Bora-Hansgrohe), que sofreu um furo e de alguns problemas mecânicos nos últimos 70 quilómetros da prova. Tom Boonen (QuickStep-Floors) também não conseguiu lutar pela sua quinta vitória na prova, trabalhou para os seus colegas de equipa despedindo-se assim pela porta grande do ciclismo, no 12º posto, a 12s de Avermaet.


Infelizmente os dois portugueses em prova, Nuno Bico e Nelson Oliveira, ambos da Movistar não terminaram a prova.

sábado, 8 de abril de 2017

Alejandro Valverde vence Volta ao País Basco.


Escrito por: Marco Faria

O corredor espanhol Alejandro Valverde (Movistar) venceu a Volta ao País Basco, após finalizar no segundo posto a sexta e última tirada da prova, um contrarrelógio individual de 27,7 quilómetros com partida e chegada a Eibar ganho por Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo).

Roglic foi o mais rápido no esforço individual, com Valverde no segundo posto a 9 segundos e Ion Izagirre  (Bahrain-Merida), a 15s.

Na geral, Valverde é o líder, com Alberto Contador (Trek-Segafredo), no segundo posto a 17s e Ion Izagirre no terceiro a 21.


Quanto aos portugueses, Tiago Machado (Katusha-Alpecin), terminou o dia no 60º posto, a 2m52s de Roglic, com André Cardoso (Trek-Segafredo) no 81º posto, a 3m43s.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Primoz Roglic vence isolado quarta tirada do País Basco.



Escrito por: Marco Faria

O corredor esloveno Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo) venceu em solitário a quarta tirada da Volta ao País Basco, uma tirada a ligar San Sebastián a Bilbao com 174,1 quilómetros de extensão, com David de la Cruz (QuickStep-Floors) a manter a liderança.

Roglic venceu a etapa, com Michael Matthews (Sunweb), a liderar o grupo de favoritos, seguido por Giovanni Visconti (Bahrain-Merida), todos a 3 segundos.

A etapa ficou ainda marcada por o infortúnio constante a Alberto Contador (Trek-Segafredo), que caiu duas vezes, furou uma e ainda teve de trocar duas vezes de bicicleta, conseguindo assim chegar integrado no grupo dos favoritos.

Na geral, de la Cruz é líder, com Roglic no segundo posto com o mesmo tempo, e Michal Kwiatkowski (Sky), no terceiro posto, a 3s.


Quanto aos portugueses, Tiago Machado (Katusha), terminou a tirada de hoje no 40º posto, a 1m28s, com André Cardoso (Trek-Segafredo), a fechar no 71º posto, a 3m37s e Rafael Reis (Caja Rural), 121º, a 9m12s.

Amanhã os corredores disputam a quinta tirada, uma ligação entre Bilbao e Alto de Arrate, com  139.9 quilómetros, e chegada coincidente com uma contagem de montanha de primeira categoria.

domingo, 2 de abril de 2017

Ataque fenomenal dá vitória no Tour de Flandres a Philippe Gilbert.


Escrito por: Marco Faria

O corredor belga Philippe Gilbert (QuickStep-Floors) venceu hoje a Volta a Flandres em bicicleta, uma prova disputada entre Amberes e Oudenaarde com 259,5 quilómetros de extensão.

Gilbert atacou a sensivelmente 55 quilómetros da chegada na segunda passagem por Oude-Kwarmont, sem uma resposta imediata dos adversários que o perseguiam. Conseguiu isolar-se na frente da corrida e carimbar assim a vitória final, com Greg Van Avermaet (BMC) no segundo posto e no terceiro Niki Terpstra (QuickStep-Floors), ambos a 28 segundos.

A prova fica ainda marcada pelo problema na bicicleta de Tom Boonen (QuicStep-Floors) na entrada para o Taaienberg, a 37 quilómetros da chegada, que retirou o belga da disputa da sua última Volta a Flandres.

Durante a perseguição ao belga, Peter Sagan (Bora-Hansgrohe) acabou por cair, levando consigo ao chão Greg Van Avermaet e Oliver Niesen (AG2R La Mondiale), ao bater numa das barreiras a 17 quilómetros do final.


Quanto a Nélson Oliveira (Movistar), terminou no 18º posto, a 52s de Gilbert.

terça-feira, 21 de março de 2017

Estivemos à conversa com... Mário Costa.

Foto: Gabriel Lucas

Escrito por: Marco Faria

No passado domingo, dia 19 de março, deu-se a inauguração da clínica de Osteopatia do ex-ciclista Mário Costa e da sua esposa Joana Rocha.

Mário Costa tornou-se profissional de ciclismo no ano 2008, ao serviço da formação do Benfica, no ano seguinte transferiu-se para o projeto Barbot-Siper onde se manteve dois anos. Mas foi em 2011 o ano em que tudo mudou, ao serviço do Louletano o ainda jovem corredor decidiu que estava na altura de terminar a sua carreira após o campeonato Nacional de ciclismo, onde obteve um excelente 2º lugar na prova em linha.

Foram dois anos dedicado à sua nova vida, à Osteopatia!

Mas o bichinho continuou com ele, e em 2013 regressa ao ciclismo profissional ao serviço da formação OFM-Quinta da Lixa onde fica até 2014 para depois se transferir para a Lampre-Merida, formação WorldTour italiana. Ao serviço da Lampre, Mário Costa participou em algumas das maiores provas do Mundo -Volta à Suíça, Volta ao País Basco, Paris-Nice, Amstel Gold Race,  La Fléche Wallone, Liège-Bastogne-Liège, Eneco Tour, Volta a Espanha, entre outras.

Agora aos 31 anos, decidiu colocar um ponto final na sua carreira profissional e dedicar-se à sua outra grande paixão, a Osteopatia. Como tal estivemos presentes na inauguração da sua clínica e decidimos fazer uma pequena entrevista.

Ciclismo Mundial: Como foram estes últimos dois anos ao mais alto nível no ciclismo?
Mário Costa: Foram dois anos muito especiais, dois anos em que vivi muitas experiencias novas, conheci outras culturas, outros países, um ciclismo diferente com uma intensidade muito alta, foram dois anos muito especiais.

CM: Abandonas o ciclismo para te dedicares a este projeto. Porquê este abandono, não haviam propostas aliciantes no teu ponto de vista?
MC: Não foi um caso de propostas. A vida assim o quis, o projeto Lampre terminou, ia ser chinês mas à ultima da hora passou a ser Abu Dhabi, a equipa sempre me disse que contava comigo mas na ultima da hora o novo patrocinador disse que queria apenas um certo número de corredores e fiquei de fora. Olhei para a vida com outros olhos, encarei aquilo que ela me queria dar. No dia 26 de dezembro soube que não ia continuar no ciclismo, no dia 27 comecei a procurar uma loja e no dia 28 fiquei com esta. Encarei isto como uma oportunidade que a vida me está a dar e vou agarra-la com todas as minhas forças.
Foto: Paulo Martins

CM: Ainda jovem abandonaste o ciclismo para te dedicares à Osteopatia, dois anos mais tarde regressas à modalidade. Pensas que podias ter feito as coisas de outra forma, sentes algum arrependimento da decisão que tomaste?
MC: Essa é uma pergunta bastante profunda! Eu acho que se isto aconteceu na minha vida foi porque tinha de acontecer. Regressei ao ciclismo quando nunca pensei que iria regressar, fui mais feliz do que estava em cima da bicicleta do que estava a ser e ainda bem que isso aconteceu porque se neste momento tenho este projeto apenas 3 meses depois de sair do ciclismo foi devido a essa fase também. Eu sou muito intuitivo e sigo aquilo que a vida quer para mim, sempre fui assim e espero assim continuar.

CM: De que forma podemos contar com o Mário Costa e com a OsteoNatura no ciclismo?
MC: Eu neste momento estou ligado à Federação Portuguesa de Ciclismo na área de recuperação dos atletas. Os corredores portugueses que vão à Seleção eu vou acompanha-los e penso que esse é o contributo que posso dar ao ciclismo.

CM: Achas que é possível que estejas ligado a uma equipa profissional no futuro como Osteopata?
MC: Já me surgiram propostas para isso mas neste momento quero dedicar-me a este projeto porque fiz aqui um grande investimento e as pessoas procuram-me e quero continuar a ajudar aqueles que precisam de mim. As pessoas procuram-me porque sentem dor e quero ajuda-las a ultrapassar essa dor. Acho que nasci para isto!

CM: (Em tom de brincadeira perguntamos ao Mário) Quando vamos ter o prazer de estar presentes na inauguração de uma nova clinica OsteoNatura?

MC: (Risos). Para já este espaço é o suficiente, mas a vida dá muitas voltas e quando menos esperamos podemos estar em outro sítio. Devemos seguir aquilo que a vida quer para nós.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Carlos Barbero vence Volta ao Alentejo.



Escrito por: Marco Faria

O corredor espanhol Carlos Barbero (Movistar) venceu a Volta ao Alentejo em bicicleta. A última tirada ficou para Juan Molano (Manzana Postobón), que juntou assim a segunda vitória na prova este ano.

Juan Molano deixou para segundo Christopher Lawless (Axeon Hagens Berman), e para terceiro Dylan Page (Caja Rural-Seguros RGA).


Barbero venceu a prova, com Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), no segundo posto, a 16s e Jasper de Laat (Metec-TKH Mantel), no terceiro, a 25s.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Juan Molano vence na turbulenta chegada a Mértola.



Escrito por: Marco Faria

O corredor colombiano Juan Molano (Manzana Postobón) venceu a terceira tirada da Volta ao Alentejo, uma ligação entre Mourão e Mértola, com 208 quilómetros de extensão.

A chegada era marcada pela velocidade e técnica, uma queda no último quilómetro atrapalhou as contas no pelotão, o que levou à vitória de Molano, com Christopher Lawless (Axeon Hagens Berman), no segundo posto com o mesmo tempo, e Carlos Barbero (Movistar), a 2 segundos, no terceiro posto.

Barbero aproveitou o facto de o pelotão seguir compacto e venceu duas metas volantes, obtendo assim 6 segundos de bonificação, a juntar a mais 4 da chegada.

Na geral, Barbero é líder, com Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), no segundo posto a 12s, e Daniel Mestre (Efapel), no terceiro, a 19.


Amanhã o pelotão disputa a quarta tirada, uma ligação entre Odemira e Alcácer do Sal, com 175,2 quilómetros de extensão.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Johim Ariesen vence segunda tirada da Volta ao Alentejo.



Escrito por: Marco Faria

O corredor holandês Johim Ariesen (Metec-TKH Mantel) bateu ao sprint toda a concorrência na segunda tirada da Volta ao Alentejo, numa ligação entre Monforte e Portel com 171,3 quilómetros de extensão.

Ariesen foi o mais rápido nos metros finais, com Carlos Barbero (Movistar), no segundo posto, e Colin Joyce (Rally Cycling), para terceiro.

A etapa foi animada, com a fuga do dia a dar-se ao quilómetro 74, composta por Edward Dunbar (Axeon Hagens Berman), Hakon Trondsen (Team Sparebanken Sor), Krister Hagen (Team Coop), Anton Vorobyev (Gazprom-Rusvelo). A perseguição da Movistar acabou por levar ao fim da mesma, proporcionando uma chegada ao sprint.

Na geral, Barbero é o novo líder, com Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) no segundo posto a 3s e Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA), no terceiro a 7.


Amanhã o pelotão disputa a terceira tirada, uma ligação entre Mourão e Mértola, com 208 quilómetros de extensão.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Rinaldo Nocentini vence primeira tirada da Volta ao Alentejo.


Escrito por: Marco Faria

O corredor italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) venceu a primeira tirada da Volta ao Alentejo, uma tirada a ligar Portalegre a Castelo de Vide, com 158 quilómetros de extensão.

Nocentini já se tinha mostrado em bom plano na Volta ao Algarve, foi o mais forte dentro de um grupo restrito de corredores que discutiram a vitória da etapa.

Nocentini deixou para segundo o espanhol Eduard Prades (Caja Rural-Seguros RGA) e para terceiro Carlos Barbero (Movistar).

Com este resultado e fruto das bonificações, Nocentini é o líder, com Prades no segundo posto a 4 segundos e Barbero em terceiro, a 6.


Esta quinta-feira a prova continua com a segunda tirada, uma ligação entre Monforte e Portel com 171,3 quilómetros de extensão.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

D. Amaro, o destemido.



Escrito por: Diogo Martins

Quando todos os líderes trocavam olhares entre eles, para ver quem arrancava primeiro, Amaro Antunes, destemido, saltou do pelotão a toda a velocidade e só parou de braços estendidos bem lá no Alto do Malhão.

Uma fuga de 21 corredores que se fez à estrada e só a 3kms do final é que foi totalmente alcançada. Primeiro a luta pelos pontos, entre Greipel e Degenkolb. Vitória que acabou por sorrir ao alemão da Lotto Soudal. Depois a luta pelo líder dos trepadores, que terminou na posse do Juan Osorio (COL) da Manzana Postobon. Afinal os nossos amigos colombianos não tinham razão de queixa da equipa. Por ultimo a tentativa da fuga chegar ao fim de forma a discutir a vitória. José Gonçalves e Raul Alarcon, entre outros, bem tentaram, mas a Sky não deixou.

Kwiatkowski tentou, mas Roglic nunca saiu da roda do polaco, e merece levar a camisola amarela para casa. Foi o mais forte no conjunto dos 5 dias.

Nota positiva para Vicente de Mateos, que tal como na etapa rainha da passada edição da Volta Portugal, não tremeu e ainda teve força para ser 2º.

Portugal mostrou, mais uma vez, ao mundo que temos corredores e equipas para disputar qualquer tipo de provas internacionais. Apenas é preciso mais investimento na modalidade.

Classificações:
Etapa:
1º Amaro Antunes W52-FCPorto 4:29:28
2º Vicente de Mateos (ESP) Louletano +0:12
3º Tiesj Benoot (BEL) Lotto Soudal m.t.
4º Michal Kwiatkowski (POL) Sky +0:15
5º Primoz Roglic (SLV) Lotto Jumbo m.t.
6º Rinaldo Nocentini (ITA) Tavira m.t.
7º Jaime Roson (ESP) Caja Rural m.t.
8º Luis Leon Sanchez (ESP) Astana m.t.
9º Tony Gallopin (FRA) Lotto Soudal m.t.
10º David de La Fuente (ESP) Louletano m.t.

Geral:
1º Primoz Roglic (SLV) Lotto Jumbo 19:04:03
2º Michal Kwiatkowski (POL) Sky +0:22
3º Tony Gallopin (FRA) Lotto Soudal +0:55
4º Luis Leon Sanchez (ESP) Astana+0:59
5º AMARO ANTUNES W52-FCPorto +1:29
6º Daniel Martin (IRL) QuickStep +1:36
7º Jonathan Castroviejo (ESP) Movistar +1:40
8º Tiesj Benoot (BEL) Lotto Soudal 1:42
9º Rinaldo Nocentini (ITA) Tavira +1:56
10º EDGAR PINTO LA Aluminios +2:19
17º RICARDO VILELA Manzana Postobon +3:14
18º NELSON OLIVEIRA Movistar +3:20
20º TIAGO MACHADO Katusha +3:27
26º JOAQUIM SILVA +5:14
31º Vicente de Mateos (ESP) Louletano +6:07
34º JOSÉ MENDES Bora +6:26
35º Victor Etxerria RP Boavista +8:24
51º JOSÉ GONÇALVES Katusha +13:04
57º SERGIO PAULINHO Efapel +15:30
63º NUNO BICO Movistar +17:07


Pontos:
1º Andre Greipel (ALE) Lotto Soudal 53 pts
2º Amaro Antunes W52-FCPorto 38pts
3º Primoz Roglic (SLV) Lotto Jumbo 30pts
4º John Degenkolb (ALE) TrekSegafredo 30pts
5º Michal Kwiatkowski (POL) Sly 29pts
Montanha:
1º Juan Osorio (COL) Manzana Postobon 17pts
2º Daniel Martin (IRL) QuicktStep 10pts
3º Amaro Antunes W52-FCPorto 10pts

Juventude:
1º Tiesj Benoot (BEL) Lotto Soudal 19:05;45
2º Anthony Turgis (FRA) Cofidis +2:29
3º Silvio Herklotz (ALE) Bora +3:51

Equipas:
1º Astana 57:19:07
2º Katusha +1:47
3º Movistar +2:49
6º SPORTING TAVIRA +9:11
8º W52-FCPORTO +9:44
13º LOULETANO 27:43
14º RP BOAVISTA +29:48
18º LA ALUMINIOS METALUSA +32:36

21º EFAPEL +37:59

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Andre Greipel vence em Tavira.



Escrito por: Diogo Martins

Na chegada a Tavira eram muitos os que esperavam por uma chegada ao sprint, mas pouco esperavam algo tão renhido.  Foi necessário recorrer ao photo-finish para declarar o gorila alemão como vencedor. John Degenkolb foi 2º e o Dylan Groenwegen 3º.

Amanhã teremos a ultima etapa, com chegada ao Alto Malhão, que vai definir a classificação geral. Para já tudo na mesma.

Etapa:
1º André Greipel (ALE) Lotto Soudal 4:57:52
2º John Degenkolb (ALE) Trek-Segafredo m.t.
3º Dylan Groenewegen (HOL) Lotto Jumbo m.t.
4º Arnaud Demare (FRA) FDJ m.t.
5º Jasper Stuyven (BEL) Trek-Segafredo m.t.
6º Andrea Pasqualon (ITA) Wanty-Groupe Gobert m.t.
7º Fernando Gaviria (COL) Quick.Step m.t.
8º Nacer Bouhanni (FRA) Cofidis m.t.
9º Michael Schwarzmann (ALE) Bora m.t.
10º Edvald Boasson Hagen (NOR) Dimension Data m.t.
17º LUIS MENDONÇA LOULETANO m.t.
21º FABIO SILVESTRE TAVIRA m.t.


Geral:
1º Primoz Roglic (SLO) Lotto-Jumbo 9:36:29
2º Michal Kwiatkowski (POL) Sky +0:22
3º Jonathan Castroviejo (ESP) Movistar +0:36
4º Tony Gallopin (FRA) Lotto-Soudal +0:55
5º Luis Leon Sanchez (ESP) Astana +0:59
9º AMARO ANTUNES W52 +1:54
10º RINALDO NOCENTINI TAVIRA +1:56
11º EDGAR PINTO LA +2:07
12º NELSON OLIVEIRA MOVISTAR m.t.
16º TIAGO MACHADO KATUSHA +2:39
19º RICARDO VILELA MANZANA POSTOBON +2:40
32º DAVID DE LA FUENTE LOULETANO +4:34
35º JOSE MENDES +5:48
37º VICTOR ETXEBERRIA RP BOAVISTA +6:05
55º NUNO BICO MOVISTAR +10:05

63º SERGIO PAULINHO EFAPEL +11:22

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Jonathan Castroviejo melhor contra o tempo Primoz Roglic de Amarelo.


Escrito por: Diogo Martins

Podemos finalmente admirar e mostrar ao Mundo as belas imagens que o Algarve e a ponta mais a sudoeste da Europa. No primeiro duelo entre os campeões de contrarrelógio, o Europeu bateu o Mundial. Nelson Oliveira foi 9º e melhor corredor luso.

O esloveno Primoz Roglic está muito bem, e colocou-se numa posição muito confortável para tentar vencer a 43ª Edição da Volta ao Algarve, depois de ser terceiro na etapa.

Numa competição à parte, O Sporting levou, com Alejandro Marque, a melhor sobre as restantes equipas portuguesas sendo 21º.  Na Geral O FCPorto continua a ter o melhor colocado, Amaro Antunes, que é agora 9º a 1:54 da liderança.

Portugal tem apenas Amaro no Top 10, mas tem mais 4 corredores no Top 20; Edgar Pinto 11º, 12º Nelson Oliveira, Tiago Machado e Ricardo Vilela, 17º e 20º, respectivamente.

Amanhã uma etapa em linha de mais de 200kms, entre Almodôvar e Tavira.

Top 5 Etapa:
1º Jonathan Castroviejo (ESP) Movistar 21:24
2º Tony Martin (GER) Katusha Alpecin +0:04
3º Primoz Roglic (SLO) Lotto-Jumbo +0:05
4º Michal Kwiatkowski (POL) Sky m.t.
5º Lars Boom (NED) Lotto-Jumbo +0:11
9º NELSON OLIVEIRA MOVISTAR +0:20
21º ALEJANDRO MARQUE TAVIRA +0:51
34º TIAGO MACHADO KATUSHA +1:03
51º AMARO ANTUNES W52 +1:20
52º JOSÉ MENDES BORA +1:21
67º EDGAR PINTO LA +1:31
82º RICARDO VILELA MANZANA POSTOBON +1:45
87º NUNO BICO MOVISTAR +1:48
89º VICENTE DE MATEOS LOULETANO +1:49
90º DOMINGOS GONÇALVES RP BOAVISTA +1:49
103º SERGIO PAULINHO EFAPEL+2:08
127º RUBEN GUERREIRO TREK +2:26


Geral:
1º Primoz Roglic (SLO) Lotto-Jumbo 9:36:29
2º Michal Kwiatkowski (POL) Sky +0:22
3º Jonathan Castroviejo (ESP) Movistar +0:36
4º Tony Gallopin (FRA) Lotto-Soudal +0:55
5º Luis Leon Sanchez (ESP) Astana +0:59
9º AMARO ANTUNES W52 +1:54
10º RINALDO NOCENTINI TAVIRA +1:56
11º EDGAR PINTO LA +2:07
20º RICARDO VILELA MANZANA POSTOBON +2:40
32º DAVID DE LA FUENTE LOULETANO +4:34
39º VICTOR ETXEBERRIA RP BOAVISTA +6:05
65º SERGIO PAULINHO EFAPEL +11:22

109º RUBEN GUERREIRO TREK +19:35

Victor Campenaerts vence contrarrelógio na Andaluzia Valverde volta a assumir a liderança.



Escrito por: Diogo Martins

Com os grandes contrarrelogistas presentes no Algarve, a etapa foi disputada entre os favoritos à geral da prova à região sul de Espanha.

O Belga acaba por ser o mais forte entre os homens especialista na luta contra o tempo.
Alejandro Valverde foi segundo, roubando 5 segundos a Alberto Contador, que também aumentou o fosso para o corredor francês Thibaut Pinot e a armada Sky.

Top 5 Etapa:
1º Victor Campenaerts (BEL) Lotto-Jumbo 14:55
2º Alejandro Valverde (ESP) Movistar +0:01
3º Alberto Contador (ESP) Trek-Segafredo +0:06
4º Thibaut Pinot (FRA) FDJ 0:09
5º Fabio Felline (ITA) Trek-Segafredo m.t.

Geral:
1º Alejandro Valverde 9:01:34
2º Alberto Contador +0:01
3º Thibaut Pinot +0:06
4º Wout Poels (NED) Sky +0:21

5º  Diego Rosa (ITA) Sky +0:45

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Dan Martin vence no Alto da Foía.



Escrito por: Diogo Martins

O publico animou e Daniel Martin ganhou ao sprint a segunda etapa da Volta ao Algarve, batendo um sprint a dois, Primoz Roglic.

Um trabalho soberbo da equipa Quick-Step, foi reduzindo o pelotão, até ficarem reduzidos a uma dúzia de corredores. Aí Roglic atacou e levou consigo, Martin e Kwiatkowski. Amaro fez a ponte novamente ao grupo. A 4 kms, o esloveno e o irlandês fugiram novamente e ficaram juntos até ao sprint. Amaro perdeu um pouco de terreno para o polaco, ficando com Nocentini, Luis Leon Sanchez, Castroviejo, Gallopin e Edgar Pinto.

Apesar de ser um a quinta de tarde, o público fez parte de toda subida, fazendo lembrar a mítica Senhora da Graça.

Amanhã contrarrelógio individual.

Top 5 Etapa:
1º Daniel Martin (IRL) Quick-Step 4:46:35
2º Primoz Roglic (SLO) Lotto-Jumbo m.t.
3º Michal Kwiatkowski (POL) Sky +0:20
4º Amaro Antunes (POR) W52/FCPorto +0:33
5º Rinaldo Nocentini (ITA) Sporting-Tavira m.t.

Top 5 Geral:
1º Daniel Martin (IRL) Quick-Step 9:14:56
2º Primoz Roglic (SLO) Lotto-Jumbo +0:04
3º Michal Kwiatkowski (POL) Sky +0:26
4º Amaro Antunes (POR) W52/FCPorto +0:43

5º Tony Gallopin (FRA) Lotto Soudal  m.t.

Thibaut Pinot vence no Alto Peña del Águila.



Escrito por: Diogo Martins

Uma bela etapa de montanha que assistamos hoje. Pinot levou a melhor, quando já ninguém tirava a vitória a Alberto Contador que teve um trabalho de equipa (Trek Segrafedo) impecável a limpar e a formar grupinhos. Só que o francês esteve melhor nos últimos 2 quilómetros e conseguiu alcançar o espanhol rumo à vitória. Ainda assim a liderança passa a pertencer a “El Pistolero”.

Alejandro Valverde que parecia estar a perder terreno, foi 3º à frente de Ion Izaguirre (Bahrain Merida) e da armada Sky – Mikel Landa, Diego Rosa e Wout Poels, que não conseguiram aguentar os ritmos da restante concorrência.

André Cardoso cortou a meta 1:55 depois, mas teve um papel fundamental no apoio ao seu líder Contador.

Uma palavra para o esforço inglório do belga Tim Wellens que andou fugido grande parte da etapa, caiu a 25kms do fim, mas ainda assim lutou em “contrarrelógio individual” para tentar alcançar a vitória!

Nas contas da classificação geral, Alberto Contador sobe à primeira posição, Pinot à segunda e Valverde descer para o ultimo lugar do pódio.

Amanhã, e tal como no Algarve, há contrarrelógio. 

Top 5 Etapa:
1º Thibaut Pinot (FRA) FDJ 4:44:03
2º Alberto Contador (ESP) Trek +0:02
3º Alejandro Valverde (ESP) Movistar +0:07
4º Jon Izaguirre (ESP) Bahrain-Merida m.t.
5º Mikel Landa (ESP) Sky +0:09

Geral:
1º Alberto Contador (ESP) Trek 8:46:33
2º Thibaut Pinot (FRA) FDJ +0:03
3º Alejandro Valverde (ESP) Movistar +0:05
4º Jon Izaguirre (ESP) Bahrain-Merida m.t.

5º Diego Rosa (ITA) Sky +0:07

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Alejandro Valverde primeiro líder da Vuelta a Andalucia.



Escrito por: Marco Faria

Alejandro Valverde (Movistar) é o primeiro líder da Vuelta a Andalucía-Ruta Ciclista del Sol depois de vencer a primeira etapa, uma ligação entre Rincón de la Victoria e Granada, com 155,4 quilómetros de extensão.

Valverde impôs-se no final, com Wout Poels (Sky), no segundo posto e Sébastien Reichenbach (FDJ), no terceiro posto.

Foi o espanhol Alberto Contador (Trek) quem abriu as hostilidades, na frente ficou um grupo composto por Poels, Valverde, Reinchenbach, Diego Rosa (Sky), Ion Izaguirre (Bahrain) e Contador.

Mikel Landa (Sky), Rigoberto Uran (Cannondale), Thibaut Pinot (FDJ) e Warren Barguil (Sunweb) conseguiram minimizar os estragos ao perderem apenas cinco segundos para o grupo dos grandes favoritos à vitória final.

André Cardoso (Trek-Segafredo), terminou no 37º posto, a 1m04s de Valverde.


Esta quinta-feira, disputa-se a segunda tirada, a tirada rainha da prova, uma ligação entre Torredonjimeno ao Alto Peña del Águila, com 178 quilómetros de extensão.

Fernando Gaviria primeiro líder da Volta ao Algarve.



Escrito por: Marco Faria

O corredor colombiano Fernando Gaviria (QuickStep Floors) venceu a primeira tirada da Volta ao Algarve, uma tirada a ligar Albufeira a Lagos, com 182,9 quilómetros de extensão.

Gaviria foi o mais forte nos metros finais, com André Greipel (Lotto-Soudal) no segundo posto e Nacer Bouhanni (Cofidis), no terceiro posto.

O melhor corredor português na etapa de hoje foi Luís Mendonça (Louletano-Hospital de Loulé).
Greipel no final da etapa, queixou-se que o colombiano lhe tapou a trajetória durante o sprint final.

Amanhã o pelotão disputa a segunda tirada, uma ligação entre Lagos e o Alto da Fóia, uma chegada de primeira categoria.


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

As definições da Volta ao Algarve.



Escrito por: Diogo Martins

A prova mais internacional do calendário nacional arranca apenas a 15 de fevereiro, todavia a emoção já está no ar. Primeiro com a apresentação das etapas. E depois com o fecho das equipas que desfilarão nas terras algarvias.

Comecemos então pelos percursos. Com tem vindo ser habitual, e a 43ª edição foge à regra, a prova será composta por 5 etapas que conjuga todo o tipo de necessidades para esta altura do ano. A competição arranca com uma etapa propicia para velocistas. Com partida em Albufeira e chegada a Lagos 180 kms depois, o único ponto de relevo acentuado será logo ao km 22. Será o primeiro teste aos comboios das equipas e às pernas dos sprinters.

Segundo dia significa subir. 190kms que ligarão Lagoa do Alto da Foia, Monchique. E aqui entra, provavelmente, uma das poucas diferenças em relação à edição do ano passado, é que a subida será efetuada por uma estrada mais dura/ inclinada – com rampas a atinguirem os 10%!! Quem não terminar bem esta etapa estará fora das contas na luta pela geral.

A terceira etapa marcará a luta dos melhores especialistas no contrarrelógio. Sagres será novamente o palco dos 18 kms.

A etapa mais longa da prova está marcada para a quarta etapa. O centro de Tavira receberá mais uma etapa para sprinters, 203 kms depois de partirem de Almodôvar.

E chega a ultima etapa. Será o dia das decisões finais – a mítica subida ao Alto do Malhão. A organização escolheu um percurso que fará lembrar as clássicas das Ardenas, visto que será de constante sobe e desce. A etapa terá 180 kms e parte de Loulé.

Este ano a Volta ao Algarve recebeu o estatuto de 2.HC, que é nada mais nada menos que o escalão imediatamente abaixo a uma competição do calendário de World Tour. Equipas de qualidade nunca foi problema para a competição, mas este ano, foi ainda mais notório o interesse, por parte das equipas, em participarem. Serão 12 equipas de WorldTour, 6 ProContinentais e 1 continental, mais as nossas 6 equipas portuguesas (que são também continentais).

WorldTour: Astana (CAZ), Bora-hansgrohe (GER), Cannondale-Drapac (EUA), Dimension Data (RSA), FDJ (FRA), Katusha-Alpecin (SUI), Lotto NL-Jumbo (NED), Lotto Soudal (BEL), Movistar (ESP), Quick-Step Floors (BEL), Team Sky (GBR) e Trek-Segafredo (USA).
Continental Profissonal: Caja Rural-Seguros RGA (ESP), Cofidis (FRA), Gazprom-RusVelo (RUS), Manzana Postobón (COL), Roompot-Nederlandse Loterij (NED) e Wanty-Groupe Gobert (BEL)
Continental: Efapel, LA Alumínios-Metalusa, Louletano-Hospital de Loulé, RP-Boavista, Sporting-Tavira e W52-FC Porto, e Rally Cycling (EUA).


Entretanto, uma parceira entre o Turismo de Portugal, a Região de Turismo do Algarve (RTA) e a Associação Turismo do Algarve (ATA), resultou num investimento para transmissão televisiva que se esperava à anos! Podem ler mais informações sobre este tema aqui: http://cyclingmundial.blogspot.pt/2017/01/volta-ao-algarve-tera-transmissao.html